Artigos

Sentido verdadeiro do Natal

Se o Natal for, portanto, vivido em seu sentido verdadeiro, faremos mais e melhor, por exemplo, pelas entidades socioeducativas de crianças e adolescentes, e famílias carentes. O presépio será, então, de pessoas concretas, com dramas reais:. Foto: www.100presepi.it

Então, é Natal. Luzes, cantos, presentes, belas mensagens e orações mexem com nossos corações, aflorando emoções: saudades de belos tempos de infância, de amigos e amigas distantes, e dor no peito ao recordar familiares que já se foram. O Natal nos torna, é certo, mais afáveis. O clima de mais amor refresca o calor de discussões e dissenções. Os que amargam dissabores ensaiam sorrisos e abraços. Colegas de estudo e companheiros de trabalho se confraternizam.

Que bom! É Natal. Por quanto tempo? Até a ressaca do dia seguinte? Até que os presentes percam seus encantos? Até que tudo volte ao ritmo anormal de “cada um pra si”? Até que o comércio anuncie promoções para continuar tentando vender a quem sobrevive com dinheiro curto? Afinal, celebramos, realmente, o nascimento do Filho de Deus? Ele, “Deus conosco”, habitando entre nós, apontou-nos o caminho para um modo definitivamente novo de vida em comum.

Necessitamos discerni-lo bem. Se o Natal for motivo para uma festa de aniversário na qual o próprio aniversariante é deixado de lado ou tido como coadjuvante de um Papai Noel mercantilizado, qual sentido terá? Será uma mera comemoração prazerosa, sem novos horizontes. No entanto, se crermos em Cristo, o amarmos e o seguirmos com fidelidade, construiremos relacionamentos e um estilo de sociedade que corresponde ao Reino de justiça que ele inaugurou.

Se o Natal for, portanto, vivido em seu sentido verdadeiro, faremos mais e melhor, por exemplo, pelas entidades socioeducativas de crianças e adolescentes, e famílias carentes. O presépio será, então, de pessoas concretas, com dramas reais: os sem teto, sem emprego, sem-terra, sem educação de qualidade, sem atenção à saúde, sem aposentadoria justa, sem afeto, sem paz, sem liberdade, e os sem ânimo para viver por causa de tantos problemas e adversidades.

Neles, Cristo faz sua morada, demonstrando-lhes que são destinatários da Boa-Nova, libertando-os de suas opressões, tornando-os sujeitos proativos, estimulando-os a alçarem suas vozes coletivas para serem tomados em conta em decisões governamentais e conquistarem respeito à sua condição de cidadãos e à sua dignidade de filhos e filhas de Deus. Natal é, portanto, emancipação e humanização, que dão sentido à nossa coexistência.

É tempo intenso de oração e ação. Mexe com corações. Mexe, também, com noções e nações. Nele, a encarnação do Filho de Deus e a redenção em Cristo se associam. Sua ressurreição nos abriu o caminho para um novo e definitivo nascimento. Essa obra será completada em sua segunda vinda, pela qual libertará completamente a humanidade, possibilitando-a participar de sua glória. A salvação em Cristo é, pois, universal. Ele a oferece ao mundo todo.

Ele mesmo diz que todas as nações da terra serão reunidas diante dele para o juízo final (cf. Mt 25,31-46). Os solidários entrarão no Reino de Deus. Os que viverem somente para si recusarão a vida em plenitude. Qual opção, nós, pessoalmente, faremos? Qual opção nossa nação, também, fará? Construiremos um país justo e solidário ou repetiremos a história, desprezando Cristo, pelo desprezo aos pobres e condenando suas lutas por vida digna?

Jales, 20 de dezembro de 2018.

Por Dom Reginaldo Andrietta, Bispo Diocesano de Jales

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Palavra do Presidente

Facebook

Assine nossa newsletter